Se um dia nós se gostasse

Se um dia nós se queresse

Se nos dois se empareasse

Se juntin nós dois vivesse

Se juntin nós dois morasse

Se juntin nós dois durmisse

Se juntin nós dois morresse

Se pro céu nos assubisse

Mas porém acontecesse de São Pedro não abrisse

A porta do céu e fosse te dizer qualquer tolice

E se eu me arriminasse

E tu com eu insistisse pra que eu me aresolvesse

E a minha faca puxasse

E o bucho do céu furasse

Talvez que nos dois ficasse

Talvez que nos dois caísse

E o céu furado arriasse e as virgem todas fugisse

CRÉDITOS

Autor: Zé da Luz

Severino de Andrade Silva

(Itabaiana/Paraíba, 1904 - Rio de Janeiro, 1965)

Mais conhecido como Zé da Luz, foi um alfaiate de profissão e poeta popular brasileiro.

culturagenial.com

©2020 Museu da Fala